A greve de 1917

“Um protesto iniciado em uma tecelagem, no bairro paulistano da Mooca, há um século, marcou definitivamente a luta dos trabalhadores em nosso país. As condições de
vida eram tremendamente precárias. Não havia leis trabalhistas, não havia garantias para as mulheres e o trabalho infantil era regra, por ser mais barato e mais fácil
de controlar.

Numa conjuntura de guerra, crise econômica e carestia, a inquietação localizada se espalhou. O patronato respondeu com os argumentos de sempre: pau, bala e demissões.
Mas, daquela vez, a agressão não funcionou. A revolta se espalhou por outras fábricas e pelo comércio. Quando os bondes pararam, São Paulo parou junto. Multidões
tomaram as ruas, em cenas inéditas até então.

Para a oligarquia, plantada em seus casarões da Avenida Paulista e no bairro de Higienópolis, a visão foi aterradora. Dezenas de milhares daqueles considerados feios,
sujos e malvados surgiram à luz do dia, entre junho e julho de 1917, para cobrar uma participação mínima por sua contribuição ao desenvolvimento.

Nem mesmo a brutalidade oficial deteve aquela gente munida de impulsos terríveis: o desejo de matar fome, ter teto e contar com condições para criar os filhos. A
pressão das ruas foi tamanha que os ricos tiveram de ceder. A demanda por salários e melhores condições de vida e trabalho acaba espetacularmente vitoriosa.

Nos tempos em que as denominadas ‘elites’ brasileiras buscam retirar direitos dos trabalhadores, remetendo o país a uma situação social semelhante à daqueles tempos, a
leitura de A greve de 1917: os trabalhadores entram em cena torna-se fundamental. Um século depois, uma lição segue valendo como nunca: a unidade dos trabalhadores é
pré-requisito para que qualquer luta sensibilize multidões e resulte em vitórias coletivas.” (Gilberto Maringoni)

José Luiz Del Roio, autor do livro, gravou uma entrevista de 40 minutos sobre a obra, que pode ser conferida aqui.

A greve de 1917

Ficha técnica
Título: A greve de 1917: os trabalhadores entram em cena
Autor: José Luiz Del Roio
Editora: Alameda
Ano da publicação: 2017
Páginas: 129
Preço: R$ 29,00

Publicado em Livros | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Centelhas

O livro Centelhas: marxismo e revolução no século XXI, de Daniel Bensaïd e Michael Löwy, consiste em uma coletânea de artigos sobre problemas do marxismo, da luta socialista e da política contemporânea. Guiados pelo conceito de história formulado por Walter Benjamin, o livro reúne textos que abrangem o período que vai do fortalecimento da onda neoliberal até a crise de 2008 e seus primeiros desdobramentos.

Dividido em dois blocos, Comunismos heréticos: de Blanqui e Marx a Walter Benjamin e Debates contemporâneos: tecendo o fio vermelho nas lutas atuais, os 18 artigos rompem com as leituras positivistas e evolucionistas do marxismo, pontuando a aversão irreconciliável ao capitalismo e sua modernidade predatória, a rejeição da pequena política miserável em favor da política laica, e abdicando da visão economicista da história predominante nas esquerdas – concebida nesse meio, como uma trajetória ascendente de progresso, alimentada pelo desenvolvimento das forças produtivas.

Fonte: site da editora Boitempo

Centelhas

Ficha técnica
Título: Centelhas: marxismo e revolução no século XXI
Autores: Daniel Bensaïd e Michael Löwy
Editora: Boitempo
Ano da publicação: 2017
Páginas:
Preço: R$ 44,00

Publicado em Livros | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Ensaios sobre Brecht

Ensaios sobre Brecht apresenta uma rica coletânea de escritos de Walter Benjamin, produzidos entre 1930 e 1939, sobre a obra dramática e poética de seu amigo e tutor, Bertolt Brecht. Brecht e Benjamin se conheceram no final da década de 1920, na Alemanha. Ambos marxistas, comprometidos com o potencial emancipatório das práticas culturais, divergiram e concordaram em tópicos tão variados como o fascismo e a obra de Franz Kafka. Confrontados com a subversão nazista da República de Weimar e a degeneração stalinista da revolução na Rússia, lutaram para manter vivas as tradições da crítica dialética da ordem existente e da intervenção radical no mundo no intuito de reformá-lo. Estimulado pela teorização de Brecht sobre técnicas dramáticas, como o famoso “efeito de estranhamento”, Benjamin desenvolveu suas próprias ideias sobre o papel da arte e do artista em uma sociedade movida à crise.

O volume contempla introduções de Benjamin à teoria de Brecht, o teatro épico e comentários de 12 poemas escritos por Brecht. Benjamin também discute algumas questões sobre Marx e a sátira em peças como A mãe, Terror e miséria no Terceiro Reich e Ópera dos três vinténs. Essa coletânea ainda presenteia o leitor com o ensaio “O autor como produtor”, assim como trechos dos diários de Benjamin – a princípio, não destinados à publicação – que registram sua intensa correspondência durante o fim da década de 1930 com Brecht exilado na Dinamarca, versando sobre os mais variados temas, da obra de Franz Kafka aos problemas do trabalho literário à beira da guerra internacional.

Fonte: site da editora Boitempo

Ensaios sobre Brecht

Ficha técnica
Título: Ensaios sobre Brecht
Autor: Walter Benjamin
Tradutora: Claudia Abeling
Editora: Boitempo
Ano da publicação: 2017
Páginas: 152
Preço: R$ 39,00

Publicado em Livros | Marcado com , , , | Deixe um comentário

A rebeldia do precariado

Em seu novo livro, Ruy Braga busca fundamentar etnograficamente a crise da globalização neoliberal iniciada em 2008, a partir da comparação entre três países – Portugal, África do Sul e Brasil. A rebeldia do precariado propõe compreender as resistências populares às políticas de espoliação social que acompanham a difusão do neoliberalismo e da precarização do trabalho na semiperiferia do sistema. Para tanto, recorre ao arcabouço teórico marxista na tentativa de interpretar tanto os avanços da mercantilização do trabalho, da terra e do dinheiro quanto as novas formas de insurgência contra a espoliação protagonizadas pelo precariado urbano.

Fonte: site da editora Boitempo

A rebeldia do precariado

Ficha técnica
Título: A rebeldia do precariado: trabalho e neoliberalismo no Sul global
Autor: Ruy Braga
Editora: Boitempo
Ano da publicação: 2017
Páginas: 269
Preço: R$ 53,00

Publicado em Livros | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Lenin: vida e obra

Lenin: vida e obra é mais do que uma biografia. Analisa com profundidade o pensamento político do grande marxista e estadista estratégico russo, Vladimir I. Lenin. Nesta edição revista e ampliada do livro, Moniz Bandeira nos faz acompanhar os passos do jovem Lenin – os redutos dos movimentos sociais e políticos, a crise russa, a formação dos partidos social-democrata, socialista e comunista até a queda do regime czarista e a vitória da revolução, a guerra civil, a invasão do território russo pelos Aliados, a formação, contradições e dissidências do Partido Comunista (PC) e movimentos operário/camponês e trabalhadores nos primeiros anos da revolução.

Baixe aqui um trecho do livro disponibilizado gratuitamente pela editora.

Fonte: site da editora Civilização Brasileira

Lenin vida e obra

Ficha técnica
Título: Lenin: vida e obra
Autor: Luiz Alberto Moniz Bandeira
Editora: Civilização Brasileira
Ano da publicação: 2017
Páginas: 224
Preço: R$ 44,90

Publicado em Livros | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Fidel e a revolução

A editora Expressão Popular apresenta a obra Fidel e a revolução. Coletivamente concebida, esta publicação, que traz em suas páginas palavras de Fidel Castro e seu legado, tem três grandes objetivos.

O primeiro é apresentar a Revolução Cubana e o papel dirigente de Fidel Castro. Ao compreender a formação de um país dependente, escravocrata e colonizado, Fidel manteve a tradição das lutas populares desde a independência, apropriou-se da contribuição teórico-política de José Martí, liderando o povo ao triunfo da revolução. Este curto período histórico – da derrota do quartel Moncada em 1953 até a chegada em Havana em 8 de janeiro de 1959 – condensa os principais elementos da estratégia, das táticas e do desenvolvimento das diferentes formas de luta, predominando a luta armada. Cuba conquista sua soberania nacional.

O segundo é compreender o que efetivamente é um processo revolucionário em todo seu conteúdo e suas variáveis. Da necessária e determinante base teórica do marxismo e tática da guerra de guerrilhas até a definição do que transforma uma luta vitoriosa pela soberania em uma luta de caráter socialista, que altera em profundidade todas as relações sociais, políticas, econômicas, culturais, éticas… Afinal, o que é uma revolução? E o que é uma revolução de caráter socialista?

O terceiro objetivo diz respeito ao aprendizado que este acontecimento histórico representa para todas as lutas em desenvolvimento nos países do então chamado “Terceiro Mundo”, particularmente as lutas pela independência na África, e de modo particular para toda a América Latina. Como pode uma revolução triunfar e seguir resistindo até hoje em enfrentamento permanente com o imperialismo e desenvolvendo o internacionalismo que o caracteriza desde seu nascimento?

Fica o desafio de aprofundar o estudo sobre o legado de Fidel e o conteúdo da revolução cubana. E que todos e todas possamos vivenciar, cotidianamente, o que o povo cubano já nos ensinou: “Yo Soy Fidel!”.

Fonte: site da editora Expressão Popular

Fidel e a revolucao

Ficha técnica
Título: Fidel e a revolução
Autor: Fidel Castro
Organizadores: Judith Elaine dos Santos e Edgar Jorge Kolling
Editora: Expressão Popular
Ano da publicação: 2017
Páginas: 420
Preço: R$ 38,00

Publicado em Livros | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Marx tardio e a via russa

Ao longo de sua vida e sua obra Karl Marx tinha duas preocupações centrais: compreender o movimento de constituição da sociedade burguesa, cuja base é a exploração do trabalho pelo capital, sua lógica e sua dinâmica de funcionamento; e contribuir para a transformação dessa sociedade em favor da maioria, dos trabalhadores e trabalhadoras. É a partir disso e nessa perspectiva que ele e Friedrich Engels constroem um edifício teórico ainda fundamental para compreendermos o mundo hoje, justamente por não se constituir como um dogma, como uma verdade que paira acima de tudo, mas por trazer um método de análise das contradições entre as classes sociais que compõem a sociedade.

Em 1881, dois anos antes de morrer, Marx se aproxima da tradição revolucionária russa – esta já sob influência de sua obra, O Capital, publicado em 1867 – e com os debates a respeito da constituição de uma sociedade socialista a partir de um capitalismo atrasado, periférico. Seu interesse pela Rússia aumenta, vê ali uma possibilidade de revolução e, tendo em conta a realidade desse país, se dedica a refletir, principalmente, sobre o papel dos camponeses nesse processo. Esse é o tema em torno do qual gira o livro Marx tardio e a via russa: Marx e as periferias do capitalismo, organizado por Teodor Shanin, professor da Escola de Ciências Sociais e Econômicas da Universidade de Moscou e da Universidade de Manchester, e membro da Acadêmia de Ciências Agrárias da Rússia.

Este livro, dividido em três partes, traz diferentes interpretações sobre o pensamento de Marx nesses seus últimos escritos: recupera as suas formulações por meio das cartas que trocou com Vera Zasulich e traz textos de N. Tchernichevski e documentos da organização A Vontade do Povo, expressivos da tradição revolucionária da Rússia, estabelecendo pontes com o pensamento de Marx.

Fonte: site da editora Expressão Popular

Marx Tardio e a via russa
Ficha técnica
Título: Marx tardio e a via russa: Marx e as periferias do capitalismo
Organizador: Teodor Shanin
Tradutores: equipe do Laboratório de estudos de movimentos sociais e territorialidades da Universidade Federal Fluminense (Lemto/UFF)
Editora: Expressão Popular
Ano da publicação: 2017
Páginas: 384
Preço: R$ 40,00

Publicado em Livros | Marcado com , , , , | Deixe um comentário